Jan Fabre em um artista, dramaturgo, encenador, coreógrafo e designer belga. Em uma performance solo no Leopold Museum em julho de 2017, mostrou o quão controversa pode ser a sua arte.

Fabre entrou na sala sem ser notado por muitos dos presentes. Usava orelhas grandes e brancas presas à cabeça e virava o rosto para a parede. Gritava “Eu sou um erro, porque eu sou um anão estúpido”, “Hi-ha, hi-ha”, “Eu sou um erro, porque eu sou o meu pior inimigo”… E assim, após a frase “Eu sou um erro, porque gosto de beijar mulheres austríacas”, se dirigiu a uma jovem loura – vestida com um dirndl – e enfiou-lhe a língua na garganta.

Apesar da beleza da moça, a performance não foi nada excitante. Bem longe disso, na verdade.