A post shared by Alex Halo (@alex_halo) on

“Me vi fascinado por fotografia quando tive acesso à internet. Era um jovem que descobriu a existência da macrofotografia, um novo universo que jamais seria revelado a olho nu.

A fascinação tornou-se paixão ao perceber toda a magia do Preto & Branco. Fotógrafos como W. Eugene Smith, Helmut Newton, Man Ray, entre tantos outros, me mostraram todo o conflito e contradição de uma imagem em P&B. A falta de cor exemplifica a dialética dos opostos: luz e sombra. Com a predominância dos tons de cinza nossos olhos contemplam ainda mais as formas. Formas estas que tenho a satisfação em captar.

Profissionalmente comecei com fotografia de still. Trabalhava fotografando eletrodomésticos e utensílios domésticos. Procurando um pouco mais de emoção fui para a parte de eventos (casamentos, aniversários, etc…). Passei anos trabalhando com noivas até me envolver no mundo da fotografia sensual e boudoir.

O termo Boudoir é originalmente francês, um espaço na casa dedicado à beleza feminina, um quarto de se vestir e maquiar. Os ensaios boudoir tenta representar esse ambiente romântico, sensual e íntimo, deixando a nudez como personagem secundário.”

Mais sobre o estilo Boudoir!

A post shared by Alex Halo (@alex_halo) on

A post shared by Alex Halo (@alex_halo) on

A post shared by Alex Halo (@alex_halo) on

A post shared by Alex Halo (@alex_halo) on

A post shared by Alex Halo (@alex_halo) on

A post shared by Alex Halo (@alex_halo) on

A post shared by Alex Halo (@alex_halo) on

A post shared by Alex Halo (@alex_halo) on

A post shared by Alex Halo (@alex_halo) on

A post shared by Alex Halo (@alex_halo) on

A post shared by Alex Halo (@alex_halo) on