No próximo sábado, Mayara Medeiros, produtora do site de altporn Xplastic, oferece uma visita guiada pelas obras de erotismo da mostra Em Nome dos Artistas. O passeio é gratuito, mediante distribuição de senha, no pavilhão da Bienal de São Paulo. A discussão será mediada por Valter José, filósofo e diretor de filmes pornô.

A exposição Em Nome dos Artistas fica em cartaz na Fundação Bienal até 4 de dezembro. É um coletivo com mais de 50 nomes da arte contemporânea nos Estados Unidos. Consumo, cultura pop, linguagem visual, imagem em movimento, leituras da pós-modernidade reunidos no pavilhão do parque Ibirapuera. Mayara explica sua proposta: “Temos a intenção de reunir pessoas interessadas na temática para discutir apontamentos diante das obras. Portanto, novas questões poderão ser abordadas. Pensamentos pessoais podem ser colocados em discussão, a ideia é que esses pensamentos realmente reverberem na visita”.

 

Roteiro da visita

1º andar:

1. Damien Hirst: considerado o maior artista de arte contemporânea, trata em suas obras sobre a morte. Ousa na utilização de materiais que provocam, ao mesmo tempo, sensualidade e repugnância.
Adão e Eva Expostos são dois bonecos de cera realistas deitados em uma maca, cobertos com cobertor hospitar. Somente seus órgãos sexuais estão à vista. A obra debate o reconhecimento das funções e dos comportamentos, do papel na sociedade através das distinções de sexo e também a origem da nação através pecado. Questiona a religião e a afirmação da ciência.

2º andar:

2. Matt Johnson: produz ambientes escultóricos imprevísiveis, provocando aparências cotidianas, porém destacáveis.
Venus After Sasha Grey foi produzida com uma mistura de argila e fósseis. A escultura de cerca de 30cm é a imagem da atriz Sasha Grey na posição da Vênus de Milo. Põe em cheque o modelo de mulher contemporânea e a inclusão de pessoas ligadas à pornografia na mídia de massa e de pessoa da mídia de massa na pornografia.

3. Matthew Ronay: possui uma estética colorida, quase do universo infantil, que usa para contrastar com a apresentação da realidade nua e crua.
São dois trabalhos, um deles um objeto fálico ao lado de uma cueca borrada e o outro são diversos homens enforcados com ereção. Abordam o íntimo colocado em ambiente público, a vergonha, a moralidade.

4. Paul Chan: artista e ativista político, busca em seus trabalhos apontar questões políticas, com poesia.
Sade for Sade Sake’s é uma projeção de sombras em gif de pessoas transando de diversas maneiras e com diversos parceiros. Aborda a utilização de escândalos sexuais como ferramenta de moralização.

3º andar:

5. Matthew Barney: reconhecido por seus trabalhos com vídeo, provoca um percurso não linear alterando a temporalidade própria da linguagem do cinema.
Cremaster, o vídeo, atenta-se para o surgimento da humanidade através do indíviduo. Possui uma estética requintada, porém, em diversos momentos podemos reconhecer cenas que caberiam em filmes pornôs.


5. Cindy Sherman: considerada a maior artista dentro da linguagem de fotografia, por meio de seus personagens, procura a realização e a fuga.
São duas fotografias, ambas deixam claro o ato sexual de forma indiscreta pelo foco e discretas pois ao mesmo momento que vemos não vemos algo, a outra por sua vez, provoca um certo nojo. As fotos colocam o espectador em posição de voyer. Provocam a sexualidade, questionando com que olhar estamos dispostos a vê-las.

6. Jeff Koons: aclamado artista contemporâneo, trata de movimentos artistícos, memórias afetivas, prazeres efêmeros.
São as duas obras com a Cicciolina, uma com sexo oral e outra com sexo vaginal. Trabalhando a estética do kitsch, o artista provoca também um voyerismo no expectador, as vezes lembrando capas dos livros eróticos vendidos na década de 70/80, se essa obra pertencesse a esse época seria questionável se tratar de uma apropriação das imagens pornôs comercializadas em massa. Justamente nessa obra já encontraram ali um casal transando e um homem batendo punheta.

Serviço:

Em Nome dos Artistas
Visita a obras de conteúdo erótico
Data: Sábado, 26/11/2011
Hora: 15h – distribuição de senhas a partir de 14h30
Local: Fundação Bienal – Portão 3 – Parque Ibirapuera – São Paulo/ SP
Gratuito. 20 vagas.

 

* Lasciva é jornalista e deseja ir fundo no tema do sexo. Narra suas aventuras sexuais e amorosas no blog lascivacontatudo.com.