A celebridade pornô japonesa Kaoru Oshima, adepto do crossdressing e famoso por seus filmes no Japão, observou que a busca por roupas femininas por homens que querem se vestir de mulher aumentou drasticamente no país, contudo a experiência de um crossdresser pode não ser tão confortável por conta do orgão masculino diante de, por exemplo, calcinhas muito cavadas. Kaoru Oshima projetou e produziu uma moda exclusiva para crossdressers deixando assim o hábito de se vestir de mulher muito mais prazerosa.

A coleção de Kaoru Oshima se inspira na cultura gamer e dos cosplays japoneses contendo capuz com orelhas de animais, vestimenta de empregada sexy, uniforme de marinheira, cinta-liga, maiô. A venda dos artigos para crossdressers de Oshima está sendo feita somente pelo site Village Vanguard, porém não se sabe há entrega para o Brasil. Aos brasileiros adeptos do crossdressing fica a dica para iniciação de projetos e produção de uma confecção nacional totalmente focada no público crossdresser.

Em eventos de games e cultura geek é comum ver pessoas crossdresser, entre os mais famosos estão o cantor de heavy metal australiano Richard Magarey conhecido como Ladybeard, cosplay de personagens do jogo Street Fighter como as lutadoras Cammy e Chun-Li e o “vovô” Sailor Suit Old Man, famoso cosplayer idoso da personagem Saylor Moon. O bilionário dono da gravadora Virgin, Richard Branson, também é crossdresser.

Sobre crossdressing

Crossdressing é um termo que se refere a pessoas que vestem roupa ou usam objetos associados ao sexo oposto, como por exemplo: jóias, perucas, perfumes, maquiagens, por qualquer uma de muitas razões, desde vivenciar uma faceta feminina (para os homens), masculina (para as mulheres), motivos profissionais, para obter gratificação sexual, ou outras.

Vivenciar a experiência do parceiro ou da parceira é considerado normal e uma ampliação do universo emocional por casais que praticam crossdressing. Não se trata apenas de uma experiência sexual, mas de uma experiência humana mais profunda. Algo como querer “ser” em lugar de querer “ter” ou de se apropriar dos atributos do outro através das formas usuais usadas pelos casais para se apossar do outro “chamamos isso de uma visão mais ampla sexual” “ser para ter prazer” tornando essa forma fisiológica um tanto mais prazerosa.

O crossdressing (frequentemente abreviado para “CD”), não está relacionado com a orientação sexual, e um crossdresser pode ser heterossexual, homossexual, bissexual ou assexual. O crossdressing também não está relacionado com a transexualidade. Os crossdressers tipicamente não modificam o seu corpo, através da terapia hormonal ou cirurgias, mas tal acontece alguns casos, como o de Stu Rasmussen, político americano e presidente da câmara municipal da cidade de Oregon.

As pessoas que praticam o crossdressing podem também ter qualquer profissão ou ocupar qualquer nível sócio-económico, tal como, aliás, qualquer uma das diversas identidades que tipicamente compõem a sigla LGBT.