Mulher que dá no primeiro encontro é piranha. E digo mais, mulher que dá em cima de homem é rodada e não merece o menor respeito. É, começo o post retratando o pensamento de muitos homens (e mulheres) por aí. Mas, por que? Por que uma mulher não pode ser apenas ela mesma e fazer o que quiser? Por que existe essa ditadura da santidade? Por que não acontece o mesmo com os homens?

A diferença de aceitação entre comportamentos entre homens e mulheres são muitas e gritantes, mas algo que nunca entendi foi essa “mania”, preconceito, ou seja lá como você queira chamar, de achar que só pelo fato de uma mulher ir para a cama com um homem no primeiro encontro faz dela uma piranha, já um homem comer uma mulher na primeira ficada faz dele “o cara”, ou, pelo menos, uma situação mais aceitável, comparada à da mulher.

Muitos homens acreditam nisso e não aceitam levar nada adiante com mulheres que se atrevam a ter uma atitude “liberal” dessas. Eu tenho uma coisa pra revelar pra vocês, meninos: as pessoas fingem. Cada um tem uma personalidade, e se você for se guiar só por esse preconceito, pode cair numa fria. O que eu conheço de mulher sonsa, que se faz de difícil mas é uma vagabunda não está no gibi. Mais vale você julgar a PESSOA e o seu conjunto, do que uma atitude que pode ser manipulada ou disfarçada. Existem aquelas que estão doidas pra dar, mas não dão por medo de serem descartadas. Existem aquelas que não têm medo de se entregar e podem ser mal interpretadas. E existem aquelas (e aqueles) que não valem nada.

A sociedade está mudando, mas ainda temos um longo caminho a percorrer até que haja a tão desejada (por nós mulheres) igualdade entre os sexos, se é que um dia irá mesmo ocorrer. Um belo momento em que iremos avaliar as pessoas como um todo, e não apenas pautados em julgamentos estereotipados. Eu sei que vai chover de comentários de gente que discorda, gente que concorda, gente que não leu. Mas meu pensamento continua sendo esse, o de que muita gente pode estar perdendo a oportunidade de se relacionar com pessoas maravilhosas só por causa dessa má interpretação de comportamento.

Termino aqui com um trecho do livro “Dores do amor romântico“, da Fernanda Young, que me inspirou a fazer esse post. Refitam sobre o assunto, beijos, e até semana que vem.

Somente os homens são poetas. Livres. Metafísicos. Sem compromissos.
Eu sou mulher. Punida sempre. Vagabunda. Indecente. A culpa não é sua, nem minha. Mas serei eu a que irá arder nas chamas, porque bruxos não existem. O que há no mundo das paixões e erros são putas. Putas. Putas. Putas. Sou uma puta.