* Matéria publicada hoje no Globo Esporte!

Na última quarta-feira, a Fórmula 1 anunciou o fim das “grid girls” nas corridas da categoria a partir do GP da Austrália de 2018. A medida levantou polêmica e abriu um acalorado debate entre os fãs do esporte.

Enquanto a F1 afirma que a decisão foi tomada pelo desfile “não fazer parte dos valores da marca, além de ser questionável com as normas sociais modernas”, muito se especula que a decisão seria puramente comercial. Ou seja, com o fim das grid girls a categoria poderia lucrar com o espaço antes ocupado pelas profissionais. O fato é que as próprias modelos que realizam o trabalho não gostaram da decisão, e usaram as redes sociais para se manifestarem de maneira contrária.

Rebecca Cooper, que já trabalhou cinco vezes como grid girl.

– Então o inevitável aconteceu, baniram as grid girls da F1. É ridículo que as mulheres que dizem estarem “lutando pelos direitos das mulheres”, estão dizendo o que se pode ou não fazer, nos impedindo de realizar um trabalho que amamos e temos orgulho de fazer. O politicamente correto enloqueceu.

https://twitter.com/rebeccageldard/status/958718387361861633?ref_src=twsrc%5Etfw&ref_url=https%3A%2F%2Fgloboesporte.globo.com%2Fmotor%2Fformula-1%2Fnoticia%2Ffuriosas-grid-girls-se-manifestam-contra-decisao-ridicula-da-formula-1.ghtml

– “Uma peça de mobiliário com roupa”, “objetificando sexualmente a mulher”, “provocativo”, “eu nunca deixaria minha filha usar uma roupa de grid girl”. Esses são alguns dos comentários que vi hoje. As pessoas não fizeram suas pesquisas direito, já que essas são as minhas roupas nos últimos cinco anos na F1.

Michelle Westby‏, ex-grid girl, hoje pilota dublê e competidora de drift

– Se não fosse pelo meu trabalho grid e como modelo promocional, eu não estaria onde estou agora, em um ambiente dominado por homens, trabalhando como pilota dublê e competindo como pilota de drift, inspirando e influenciando outras mulheres a não se intimidarem neste ambiente. Eu recebo mensagens o tempo todo de garotas dizendo o quanto eu as motivo e o quanto elas têm vontade de pilotar, achando que nunca seriam aceitas. O que as pessoas não percebem é que temos um grande conhecimento dos produtos que promovemos. Cabe a nós decidir se estamos ou não confortáveis na roupa que teremos de usar. Usamos mais roupas do que adolescentes nos supermercados. Hoje não trabalho mais de grid girls, mas pensar que um monte de meninas perderam um renda importante porque feministas pensam que sabem de tudo, quando não sabem de nada, é frustrante.

Lucy Stokes, grid girl de motovelocidade

– Eu amo o meu trabalho. Eu sou respeitada, bem paga e orgulhosa de representar o time para o qual trabalho. Não é certo que niguém, incluindo feministas, julgue nosso trababalho quando estãod eixando tantas mulheres sem emprego. Onde está a igualdade e o empoderamento nesse caso?

https://twitter.com/LucyStokes_/status/958838990903349249?ref_src=twsrc%5Etfw&ref_url=https%3A%2F%2Fgloboesporte.globo.com%2Fmotor%2Fformula-1%2Fnoticia%2Ffuriosas-grid-girls-se-manifestam-contra-decisao-ridicula-da-formula-1.ghtml

Quem também se manifestou sobre o assunto foi a engenheira Leena Gade, tricampeã de Le Mans pela Audi.

– Sobre as grid girls. Não entendo a lógica de quem está de fora. Vocês se deram ao trabalho de se perguntar poque não temos engenheiras, mecânicas e pilotas? Acontece por uma educação pobre. Não me usem de “exemplo” de uma mulher que chegou onde queria. Meu esporte é cheio de mulheres que “chegaram lá” em um local dominado por homens, e não foi pela “sexualização das mulheres”, mas pela nossa paixão e porque acreditamos em algo que queríamos fazer.

– Grid girls representam marcas, patrocinadores e times. Elas têm noção dos produtos e são pagas para captarem potenciais clientes e oportunidades. Muitas usam o dinheiro para complementar a renda ou pagar por educação. A era de mulheres seminuas já passou há muito tempo e, mesmo que não, eu não teria mudado de ideia, pois tinha pais e professores que me apoiavam na minha escolha.

– Banir essas mulheres de ganhar dinheiro não é igualdade. Parem de pensar por nós no esporte. Pergunte a garotas nas escolas se elas gostariam de trabalhar com automobilismo e porque elas acham que engenharia, relações públicas, chefia de times e pilotagem não são para elas. Eu aposto que é porque os amigos dizem que é impossível. Banir grid girls é politicamente correto e será tão bem-sucedido quanto a revista playboy banindo nudez #Corrijaoproblemareal – ironizou.

Em enquete do GE.com, internautas são contra banimento de grid girls